Transportador, você está pronto para medir a produtividade de sua frota?

by Patric Dall asen
11 meses ago
369 Views

Talvez você se surpreenda com os resultados.

Gestão de pessoas, gestão financeira, gestão de custos, gestão operacional, gestão comercial, conceitos e departamentos que nos acostumamos a visualizar em empresas de transporte e necessários para a administração das operações.

Mas a pergunta é, com tantos setores sua empresa realiza a gestão e análise de produtividade de sua frota? Se você não mede esse indicador talvez você se depare com resultados inimagináveis!

Costumo associar produtividade como sendo a eficiência de fazer mais com as mesmas condições, no nosso caso com a mesma frota por exemplo ou em uma segunda definição fazer a mesma coisa com menos ativos. Tal conceito por vezes é questionado pois imaginamos que na correria do dia a dia somos produtivos em nível hard. Pois bem, como a grande maioria das transportadoras não mede, desconhecemos o potencial de aumento de produtividade em nossas transportadoras. Em um case operacionalizado em 2019 constatamos que a produtividade de uma transportadora era de 37%, para cada 100 veículos 37 foram produtivos ao longo do mês. A soma de suas ineficiências ligadas a ineficiências de manutenção, operação e comercial custaram uma ineficiência de 63%.

O segmente do transporte diferente de outras atividades econômicas demanda de maior acompanhamento em diferentes variáveis. Na indústria os setores encontram-se sob a visão diária de nossos gestores e em caso de dúvidas podemos ir ao gemba (chão de fábrica) avaliar desvios, já no transporte nossos veículos estão operando em todo o país ou até mesmo fora dele. A transportadora opera hoje em segmentos de clientes diferentes uns dos outros, cada um possui particularidades e nos demandam assim uma visão multidisciplinar no transporte.

Não bastando a necessidade multidisciplinar por outro lado sofremos com fretes defasados, carga tributária em excesso, custos operacionais altíssimos e para coroar instabilidade econômica. Essa realidade é onde estamos inseridos e não a tempo para lamentações. Por esse motivo o conceito de análise de produtividade deve estar presente. Quando “fracionamos” nosso dia em status começamos a analisar de maneira horizontal nossa produtividade ou improdutividade por veículo. Diferentes variáveis podem estar afetando sua disponibilidade, cabe a cada um definir o que conceitua como produtivo ou não.

Como os resultados atuais poderão ser melhorados?

De posse dos dados de produtividade começamos a definir estratégias de atuação. Se nossas taxas de problemas ligados a manutenção estão fora do padrão desejada, devemos rever práticas e a necessidade de substituição de veículos por exemplo. Nos percentuais ligados a carga e descarga, a equipe operacional que faz o link com cliente deverá tratar a melhoria e cobrar maior agilidade nas operações. Já os percentuais ligados a pessoas devem influenciar na adoção de práticas para a boa gestão da nossa mão de obra. São exemplos que facilitam a gestão e influenciam em um melhor aproveitamento de nossas operações.

Fica a missão de conduzirmos nossa gestão focados em buscarmos maior produtividade com a certeza de melhoria em todos os processos e maior rentabilidade. Visite seu gemba, acompanhe seus motoristas desde o carregamento até a entrega e mapeia as improdutividades existente.

Mãos a obra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *